Caixa Econômica reduz juros para financiamento imobiliário

A Caixa Econômica Federal é o principal agente de financiamento imobiliário do Brasil e responde por cerca de 70% de todo o crédito para compra de imóveis no país.

No entanto, a última queda de juros havia acontecido em 2016 e o banco estatal deixou de ter as taxas mais atrativas do mercado. Agora, uma nova medida pode melhorar esse cenário!

No dia 16 de abril, a Caixa anunciou redução da taxa de juros nas linhas de financiamento imobiliário que utilizam recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo e também fez mudanças nos limites de financiamento de imóvel usado. Veja, a seguir, o que muda no financiamento imobiliário da Caixa Econômica!

Quais são as novas taxas de juros e regras para financiamento imobiliário?

A taxa mínima de juros para imóveis que fazem parte do Sistema Financeiro Habitacional (SFH) caiu de 10,25% para 9% ao ano. Nesse sistema de financiamento imobiliário, podem ser adquiridos os imóveis que têm valor de até R$ 800 mil. Se o imóvel estiver no Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais ou Brasília, o teto sobe para R$ 950 mil.

Para os imóveis que estão acima desses limites, entra em cena o Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI). Nessa modalidade, a taxa mínima de juros caiu de 11,25% para 10% ao ano.

Outra grande mudança se refere ao limite de financiamento para imóveis usados. No passado, a Caixa financiava até 80% dos imóveis usados e esse valor foi reduzido para 50% em 2017.

Com as novas medidas, o percentual máximo de financiamento para imóveis usados sobe para 70%. Para imóveis novos, não foram feitas mudanças e continua valendo o limite de 80%.

O que levou a Caixa a fazer essas mudanças de financiamento imobiliário?

Desde que o Banco Central vem anunciando cortes seguidos na taxa básica de juros (Selic), os bancos privados estão reduzindo as suas taxas para financiamento imobiliário. Com as novas regras, a Caixa segue a tendência, mesmo que tenha demorado mais que os outros bancos.

A decisão foi motivada, ainda, por uma decisão do Banco Central que alterou os depósitos compulsórios. Esses depósitos são um dinheiro que os bancos são obrigados a deixar parado no Banco Central e não pode ser usado para empréstimos. Em março, o percentual foi reduzido de 40% para 25% liberando cerca de R$ 25,7 bilhões no sistema financeiro.

Como as medidas podem impactar o mercado?

Segundo Nelson Antônio de Souza, presidente da Caixa, o banco tem a meta de financiar 650 mil imóveis em 2018 e segue trabalhando para garantir acesso ao crédito. A expectativa é que a melhoria nas condições de financiamento imobiliário reaqueça o mercado, gere novas vendas e incentive a construção de novas unidades.

Depois do anúncio da Caixa Econômica, os bancos rivais já tomaram medidas semelhantes. Bradesco, Santander e Banco do Brasil também reduziram suas taxas para competir com a Caixa.

Ou seja, tanto para quem quer comprar quanto para quem quer construir e vender imóveis, as novas taxas de juros para financiamento imobiliário são uma excelente notícia!

 

E se você quer ver mais boas notícias, confira também nosso artigo sobre o aumento na venda de materiais e o crescimento da construção civil!

Deixe um comentário